Utilizando Personal Map e GROW em Futurospectiva

  •  
  •  
  •  
  •  

Buscando sempre novas formas de realizar nossos encontros de melhoria, tive a ideia de juntar duas ferramentas bastante conhecidas no mercado: o Personal Maps e o modelo GROW de coaching.

De forma resumida, o Personal Maps é uma das ferramentas do Management 3.0, apresentada no livro Managing for Happiness, de Jurgen Apello, que é amplamente utilizada pela comunidade como uma forma bacana de team building, principalmente. Nela você se apresenta através de um desenho, de forma livre.

Personal Maps | Fonte

Personal Maps | Fonte

Já o modelo GROW  foi desenvolvido por John Whitmore, autor do livro Coaching For Performance e é dividido em quatro partes, servindo como uma ferramenta simples de definição de metas e plano de ação em sessões de coaching:

Modelo GROW | Fonte

Modelo GROW | Fonte

No contexto da futurospectiva, a ideia era compartilhar, entre o time, quais os objetivos e visão de futuro de cada um dos membros, assim como de que forma poderíamos nos ajudar para que as metas sejam alcançadas.Dando um pouco mais de contexto, nosso time já é bastante entrosado e a razão de ter escolhido essa abordagem foi o número significativo de vezes em que o desconhecimento entre nós sobre a clareza dos objetivos profissionais apareceram como feedbacks individuais.

A Prática

Iniciei explicando como funciona cada ferramenta. Pedi então que cada um fizesse um Personal Map e adicionasse os quadrantes do GROW. O que usamos foi basicamente papel A4 e canetinhas.

Para isso foi estabelecido o timebox de dez minutos, podendo ser estendido para quinze caso necessário.

Ponto de atenção

Nem sempre as pessoas possuem seus objetivos profissionais de forma clara, e tudo bem. Considerando isso deixei livre para que os objetivos pudessem ser pessoais também, o importante era que cada um se sentisse confortável e confiante sobre as informações que seriam apresentadas. Eu mesma escrevi sobre os dois. Poderíamos também estender a atividade para o futuro do time, por exemplo, ao invés de individual, mas acredito que a dinâmica iria mudar um pouco.

Perguntas norteadoras

Considerando que utilizei o GROW de uma maneira diferente da proposta como ferramenta apenas de Coaching, achei importante deixar algumas perguntas norteadoras no quadro, o que facilitaria o entendimento da dinâmica e poderia trazer mais homogeneidade aos resultados. Por exemplo:

Para Goal:
  • Quais resultados você busca a curto e médio prazo?
  • O que você espera atingir na sua vida profissional/pessoal?
  • Sua meta é mensurável?
  • Qual seria sua definição de sucesso?
Para Reality:
  • Como as coisas estão indo até agora (com relação à meta)?
  • Quais recursos você possui hoje pra isso?
  • Você percebe obstáculos para que isso seja colocado em prática agora?
Para Options:
  • Quais são as possibilidades reais?
  • Quais são as possibilidades que hoje você não vê como possíveis?
  • Quais recursos são necessários para que você atinja a meta?
Para Way forward:
  • O quanto você está comprometido com essa meta?
  • Qual o primeiro passo?
  • Como você espera comemorar o atingimento?
  • Quando você espera começar?
Continuando a prática

Desenhos e textos feitos, foi a hora de compartilhar. Fiquei de olho no relógio mas não quis definir um timebox, deixei que cada um fosse apresentando seu resultado de maneira livre, e incentivando que o time fizesse perguntas para que todos pudessem compreender o que estava sendo compartilhado.

Ao final de cada apresentação, perguntava: e nós, como time, como podemos ajudar você a conquistar essa meta? Neste momento a pessoa que apresentava seu mapa mostrava opções e logo em seguida o próprio time fazia sugestões. Enquanto o pessoal conversava, eu escrevia tudo em post-its grandes, tentando manter certa objetividade e incentivando que fossem atividades que poderiam ser iniciadas assim que saíssemos da sala.

Resultados

Além de termos conhecido um pouco mais sobre os desejos e ambições de cada um, criamos uma rede de apoio e comprometimento pelo desenvolvimento de cada um de nós.

Colocamos os resultados numa planilha e eu já deixei agendado um checkpoint para daqui a 6 meses, para fazer a revisão das metas e ver o que conseguimos ou não colocar em prática. Agendei um lembrete por mês também para que cada um visite o documento compartilhado a fim de não deixar as atividades caírem no esquecimento e para que ajustes na rota possam ser feitos sem grandes dificuldades.

Éramos cerca de dez pessoas, e o tempo de duração foi de uma hora e meia, aproximadamente.

Segue exemplo de um dos resultados:

Meu Personal Map

Meu Personal Map

Simples, certo?

Espero que tenham gostado! Caso alguém coloque essa atividade em prática não esqueça de compartilhar comigo os resultados 🙂

Até mais!

Leave a Comment