Suas Métricas Segundo Os 3A’S

  •  
  •  
  •  
  • 30

Oi, pessoal!

Ainda estou lendo o livro A Startup Enxuta de Eric Ries. Estou no capítulo que fala sobre a características das métricas, onde apresenta o valor dos 3A’s. Vale relembrar que as métricas ajudam a identificar o seu estado atual, permitindo confrontarmos com as duras verdades que surgem dessa avaliação. Além disso, as métricas também auxiliam o time a tomar alguma ação para continuar perseguindo o que buscam ou redefinir suas prioridades e objetivos. Vamos ver o que seria esses 3As:

Acionável

… deve demonstrar causa e efeito claros.

Ries, Eric. A Startup Enxuta.

Vocês já passaram pela situação onde foram orientados a coletar métricas do time apenas para apresentar para a gerência? Imagino que tenha uma boa intenção, só não sei qual. Coletar só por coletar é um desperdício de esforço e tempo, sem propósito algum. Esse primeiro A retrata entender quais são as perguntas que devemos fazer ou queremos que sejam respondidas, para evitar as métricas de vaidade – que não agregam valor e nem apontam os fatos/dores que devemos olhar.

Como Eric Ries descreveu:

As métricas de vaidade provocam estragos, pois se aproveitam de uma fraqueza da mente humana.

É importante que a causa e efeito sejam transparentes e entendíveis para todos os envolvidos, e dessa forma, a partir dos dados levantados, estes ajudarão esclarecer, informar e gerar ações baseadas no aprendizados das pessoas.

Acessível

Para facilitar o entendimento das métricas do time, os  dados devem ser simples para que todos do time entendam. Esse artefato é um meio de feedback para o time tomar ações em cima do problema exposto. Confesso, que já apresentei os dados de forma confusa por falta de organização de minha parte e isso se reverteu em falta de confiança do time sobre os dados apresentados, para tanto, Eric Reis também reforça que acessibilidade concerne em estar disponível para todos envolvidos.

Auditável

Quando os dados estão bons, não há questionamentos por nenhuma parte. Porém, agora quando o barco começa a afundar, os dados pode gerar um momento de desconfiança sobre a sua veracidade. Para evitar isso, Eric Reis comenta sobre as métricas estarem auditáveis. Ou seja, os dados devem ser verificados ou testados de forma presencial no momento de sua coleta. Ele ainda completa com a seguinte confirmação:

Também tem um segundo benefício: os sistemas que proporcionam esse nível de auditoria dão aos gerentes e empreendedores a oportunidade de obter insights de por que os clientes estão se comportando da forma indicada pelos dados.

O livro foca em produto, porém pivotei para o contexto de times. Também acredito que podemos utilizá-las para questionar as métricas de nosso dia a dia, pessoais, processo ou serviço. Atualmente, estou em um momento profissional onde, cada vez mais, procuro entender como as métricas podem me ajudar a ganhar confiança do time, direcionar tomada de decisão baseada em dados e para que todos possam atuar de forma conjunta em busca da construção e atuação das métricas.

E como andam as métricas de vocês? Elas assumem os 3As? Caso não assumam, revise-as porque elas podem estar gerando disfunções dentro do seu time.

Abraço

 

Leave a Comment