As Disfunções Que Assombram Um Time.

  •  
  •  
  •  
  •  

Olá pessoal,

Recentemente, compartilhei a minha dúvida relacionada a team building nos grupos de whats app e  slack de agilidade, todos foram bem prestativo com sugestões de leitura até mesmo aplicação de ferramentas da PNL (programação neurolinguística – o que estou curtindo muito). Então hoje, vou compartilhar uma dessas dicas: o livro Os 5 Desafios das Equipes – Uma fábula sobre liderança, do autor Patrick Lencioni de 2002. Confesso que eu ainda não o li, shame on me.  E apesar disso,  a internet mãe dos burro me ajudou muito repriorizar essa leitura.

Os 5 desafios das equipes - Uma fábula sobre liderança.

Os 5 desafios das equipes – Uma fábula sobre liderança.

Patrick Lencioni conta uma fábula de uma CEO transformando uma equipe em time. E sim, tem diferença entre time e equipe, a primeira é um grupo de pessoas tem um objetivo a alcançar e a segunda é um grupo de pessoas. O livro é famoso pela pirâmide das disfunções de times.  André Vargas resume bem a ideia no seu blog. Vamos dá uma olhada na pirâmide:

Pirâmide de disfunções.

Pirâmide de disfunções.

numero-1

A base da pirâmide faz análogo a confiança, sendo o principal alicerce que o time deve construir. A confiança não é aquele lance de você se jogar de um prédio e ter a certeza que o seu colega de trabalho vai te pegar, mas compartilhar com os colegas que você não é um superhomem ou mulher maravilha. Saber dizer “eu NÃO sei” é o primeiro passo.

numero-2

Uma vez construída a confiança, subimos na pirâmide. Já dizia o meu primeiro gerente de trabalho, “um ambiente sem conflito não é normal”. E levo isso comigo até hoje. É natural ter aquele medinho de “machucar o sentimento do colega” ou ter a situação aceitar tudo que o outro fala também não rola né. O conflito saudável deve existir para fortificar as tomadas de decisão em time, permitindo o alinhamento das expectativas.

numero-3

No próximo degrau, tem a falta de comprometimento. Se o grupo de pessoas não tem confiança, não sabe interagir em um diálogo conflitante, como há a possibilidade de ter comprometimento ou de pedir comprometimento de alguém?! Como atingir a meta?! #tretafellings

numero-4

Seguindo na pirâmide, há a perda de responsabilidade. Sabe quando você escuta “isso não é meu trabalho” em um time ou “Já fiz minha parte, ele não fez porque não quis”? Opa, aí já dá aquele alerta de algo está errado, pois todos do time devem ter responsabilidade e trabalhar em conjunto, mas para isso, deve-se ter o compromisso. Bateu um flash back agora.

numero-5

E no final, essas situações vão crescendo que nem bola de neve e impacta diretamente nos resultados. Com tantas tretas, como se manter focado na meta? Enfim …

Nessa busca, encontrei o artigo em português Agilidade Relaciona ‘Os Cinco Desafios de uma Equipe,  o qual faz um resumo do paralelo da pirâmide com o mundo ágil. O trabalho original desse paralelo vem do artigo em inglês How Agile Practices Address Five Team Dysfunction, sinceramente  sensacional.

Além disso, para quem curte vídeos, aqui tem nove minutos com Manoel Pimentel (tenho muita admiração. O cara é fod#$@ fera da agilidade) explicando sobre a pirâmide e uso de team growing, vale a pena ver também.

Ainda com o Manoel Pimentel e com o Rafael Nascimento exploram melhor sobre esse assunto. Já o tinha visto a uns 2 anos atrás.

Participe dos eventos regionais e das redes sociais. Participar é compartilhar as suas dúvidas, questionar, apresentar sua opinião, não existe certo ou errado. As pessoas são superreceptivas e te conduzem ao aprendizado.
Última dica : Para quem curte HQ, tem uma versão do livro em quadrinho. Eu aceito de presente! #ficaadica

Em que nível da pirâmide está o seu time? Esse post é apenas o começo de muitas dinâmicas sobre team building.

Gratidão a todos do slack e whats app pelo apoio.

Abração

Leave a Comment