Saiba Como Palestrar – Um post construído colaborativamente.

  •  
  •  
  •  
  •  

E aí, pessoal!!

Ao falarmos sobre melhoria contínua, temos que ter em mente que esta é uma das bases fundamentais para a evolução e sobrevivência de um time, um serviço ou produto e por que não de uma pessoa? Perceba que se tirarmos desse contexto, ela continua sendo muito abrangente, tendo a possibilidade de ser aplicada em diversos ambientes, como já vimos no exemplo que falei na conclusão do post O que faz do scrum um framework. OFFTOPIC: Ainda não aprendi a fazer o churrasco 🙁.

No início do mês aconteceu mais uma edição do Scrum Gathering Rio2017, onde tive a oportunidade de vivenciar a auto-organização e o trabalho voluntário. Sempre que tinha chance, procurava saber o que as pessoas tinham achado das palestras do dia. No geral, a grande maioria elogiou bastante, mas também houveram críticas e reclamações sobre algumas palestras (seja por alguma atitude do palestrante ou pela forma que foi passado o conteúdo).

Foi então que tive um insight bem interessante. Por que não transformar essas críticas em lições aprendidas? Afinal de contas, melhoria contínua está no sangue.

Ora, se você está participando do Scrum Gathering Rio, deve concordar que um dos melhores dias do evento são os open spaces, certo? Ou seja, é o momento em que os próprios participantes montam a agenda do dia com diversas rodas de conversas com cerca de trinta minutos de duração.

Baseado nessas críticas e com esse mindset de melhoria contínua, puxei o tema: como não palestrar? Para a minha surpresa, a seção superou minhas expectativas, pois ao mesmo tempo estava ocorrendo discussões bem interessantes que eu queria ter acompanhado de perto. Porém, foi a seção bem proveitosa e com diversas sugestões sobre como fazer uma palestra fodamente incrível, como vocês podem ver na imagem a seguir.

Resultado do open space: Como Não Palestrar

Resultado do open space: Como Não Palestrar

Bacana, Diogo. Mas só tem um problema. Porque você não usa melhoria contínua e aprende a fazer uma letra melhor? Não dá pra ler nada ¬¬.

Calma, jovem!!! De acordo com a Jana, a letra já foi pior. Mas, como a experiência do usuário vem em primeiro lugar, vou transcreve-las, agrupá-las e falar um pouco sobre elas.

Menos texto, mais imagens.

Que jogue a primeira pedra aquele que nunca deu uma cochilada no meio de uma apresentação na aula com aqueles slides só de texto, certo? Quando vou para uma palestra, eu espero que o palestrante passe a informação de uma forma interessante o suficiente para eu assimilar aquela informação e não quero ter que ler no slide. Para isso, posso dizer que as imagens são excelentes formas de fazer isso acontecer.

Pouquíssimas palavras também funcionam! #MenosÉmais. 
Conteúdo no contexto.

Para assimilar uma informação, fica muito mais fácil associá-la com algo que seja comum para o seu público-alvo. Um exemplo prático disso, foi em um workshop sobre gamification que eu e a Jana fizemos para um grupo de universitários no Encosis, em 2016. Enquanto estávamos preparando os slides, conversamos bastante com o coordenador do evento para conhecer melhor quem eram esses estudantes, ou seja, nossas personas. As características principais foram: Pessoas que gostavam de tecnologia, jogos e ficavam bastante tempo em redes sociais.

Como resultado, utilizamos bastante meme para passar as informações. Isso foi muito proveitoso tanto da nossa parte, quanto pelos alunos. O feedback foi incrível!

Dá uma olhada na apresentação aqui :).
Empatia com seu público-alvo e humildade.

Basta você se colocar no lugar de seus espectadores. Você gostaria de assistir a palestra de alguém sem humildade, grosseiro e sem preparo nenhum? Não, né?

Técnicas de facilitação e energizer.

Quem já participou de algum evento, sabe como é muito difícil acompanhar o raciocínio de uma palestra logo após o almoço, no sábado de manhã ou no final do dia. Em palestras assim, acredito que o palestrante tem um desafio muito maior em suas mãos. Para isso, técnicas de facilitação e alguns energizers podem ajudar, e muito, nesse aspecto.

A seguir, um vídeo de um energizer que eu e a Jana utilizamos em um evento da FPF Tech, chamado Tech Talks.

O objetivo dessa dinâmica foi para fazer com que os espectadores acordassem se levantassem um pouco e, principalmente, se divertissem!

Convido vocês a darem uma olhada na nossa seção de facilitação. :)
Ah, algumas piadas podem ajudar a quebrar o gelo também. Né, Jana?
Empolgação na hora de falar / Set de Energia / Linguagem Corporal.

A linguagem corporal e a entonação da voz são muito importantes quando se quer passar uma mensagem. Mas o que é isso? Pierre Weil e Roland Tompakow, autores do livro O Corpo Fala, já nos dá a definição logo na capa.

A linguagem silenciosa da comunicação não-verbal.

Já pensou receber aquela notícia importante e feliz através de uma pessoa que está triste, sem empolgação e retraída? É tenso! Então, procure trabalhar esses aspectos em sua vida, pois isso o ajudará bastante, não apenas nas palestras.

Preparação / Plano B / Se assistir e se escutar.

Antes de qualquer palestra, procure sempre preparar-se. Eu sei que isso é meio óbvio, mas é muito importante você treinar sua palestra em um determinado tempo. Normalmente, quando tenho alguma palestra ou workshop, procuro gravar ou apresentar pra alguns amigos próximos para ver como me saio, isso me ajuda bastante em ter noção de timebox.

Procure também fazer treinamentos sobre como palestrar. Você irá aprender diversas técnicas sobre como trabalhar melhor sua oratória e métodos sobre como passar a mensagem (como a storytelling, por exemplo).

Assistas outras palestras para se espelhar e moldar os seus conceitos de uma boa palestra.

Outra dica que foi dada nesta seção, é sempre ter um plano B. Às vezes, as coisas não saem como esperado e precisamos estar preparados para isso (afinal de contas, cada projeto tem seu risco, certo?).

Domínio do assunto / Equilíbrio entre conceito e exemplo / Foco na Mensagem.

Um dos pontos que são essenciais para que você sinta-se seguro na frente de vários pessoas, é ter domínio do assunto. Quem aí já ficou tão nervoso que deu aquele apagão na cabeça? Aquela maldita palavra que não aparece e suor frio. Para evitar que isso aconteça, eu costumo me perguntar:

Qual mensagem eu quero passar com esse slide e palestra?

Algo que eu acho muito importante e que surgiu nesse open space, foi o equilíbrio entre conceito e exemplo!! Lembrem-se: Não vivemos só de conceito!! Precisamos fazer para aprender. Então, mostrar o como foi feito / como se faz ajuda a assimilar a mensagem que você quer passar em sua palestra.

Portanto, fica claro que a melhoria contínua é algo que está presente em diversas áreas. É ela que permite que nós evoluamos como pessoas e profissionais. Para finalizar esse post, compartilho um vídeo que o Avelar Leão, Agile Coach da K21, sugeriu:

Gostaria de agradecer também a todos que participaram desta seção, pois foram vocês que construíram a essência desse post. Como já falei no primeiro post do nosso pub: sharing is the new learning.

Espero que esse post os ajudem a construir palestras sensacionais!!

Um grande abraço,

Leave a Comment