Scrum Master: de Master a Servo!

  •  
  •  
  •  
  •  

E aí, pessoal!!

O tema que vou abordar hoje é sobre o papel de Scrum Master (SM). Isso mesmo, aquele cara que, para quem não conhece, pode pensar que é o dono do time só por causa desse nome legal (sabe de nada, inocente).

Antes de começar o post, temos que ter em mente que um time Scrum é formado por três papéis fundamentais: SM, Product Owner (PO) e Time de Desenvolvimento. Ressalto também que cada papel tem sua importância dentro desse framework.

A definição de SM, de acordo com Ken Schwaber e Jeff Suttherland (criadores do Scrum), é a seguinte:

É o responsável por garantir que o Scrum seja entendido e aplicado. O Scrum Master faz isso para garantir que o Time Scrum adere à teoria, práticas e regras do Scrum. O Scrum Master é um servo-líder para o Time Scrum.

Ou seja, é a pessoa que vai trabalhar diretamente para o time, sendo responsável por manter as coisas em ordem, atuando em três frentes: com o PO, com o Time de Desenvolvimento e com a Organização.

Suas responsabilidades com o PO são várias, dentre elas as principais são: 

  • A comunicação clara da visão e dos objetivos do produto, assim como os itens do backlog.
  • É responsável também por ajudar no gerenciamento do backlog.
  • Ensinar o time Scrum a criar itens de backlog de forma clara e concisa.

Já com o time de desenvolvimento, os principais deveres do SM são:

  • Transformar seu time em autogerenciavel e interdisciplinar.
  • Remover qualquer impedimentos que atrapalhe seu  progresso.
  • Facilitar as cerimônias do scrum.
  • Guiar o time para a criação de produtos de alto valor para o cliente.

E por fim, mas não menos importante, suas funções para/com a Organização são:

  • Planejar, implementar e treina-la para a adoção do Scrum.
  • Ajudar os funcionários a compreender e ensinar como aplicar o framework no desenvolvimento do produto.
  • Causar mudanças que aumentem a produtividade do time.
  • Trabalhar em conjunto para melhorar a eficácia e eficiência do Scrum nas organizações.

Como vocês podem perceber, o SM trabalha tanto para o seu time como para a organização, sendo responsável por manter a essência do Scrum viva e em funcionamento. E acreditem, não é algo fácil!

Quando pensamos em times, temos que entender que estamos lidando com pessoas e suas diferenças. É necessário saber ouvir, identificar problemas pontos para evoluir e aplicar mudanças importantes no(a) individuo(a) sem invadir seu mapa mental, buscando sempre a melhoria contínua do time. Já no quesito organizacional, temos que ter em mente que estamos lidando com a cultura de uma empresa, ou seja, buscar romper com o tradicional para implantar algo novo que, normalmente, é desconhecido pelas pessoas (principalmente aquelas que tem o “poder” de autorizar qualquer mudança).

Em minha experiência como SM, algumas dificuldades que vivenciei foram verdadeiros aprendizados, pois trabalhar com pessoas é algo muito difícil (nunca vi tanto problemas de comunicação) e conseguir mudar a cultura organizacional é algo mais difícil ainda! Mas, também é muito recompensador quando você vê seu time engrenando como resultado de algumas ações que você tomou. Portanto, acredito que o SM tem que ser uma pessoa bastante motivada e determinada em querer aplicar a mudança em seu ambiente de trabalho, sendo aquela que vai trabalhar diretamente com outras pessoas. Observem que não precisa ser necessariamente da área de TI, inclusive já li sobre algumas empresas que contrataram psicólogos de formação para assumir essa função.

E aí, preparados para serem esse agente de mudança? 🙂
Um grande abraço.

Para saberem como se tornar um Scrum Master certificado pela Scrum Alliance, recomendo os cursos da knowledge 21 e da adaptworks.

Leave a Comment