Contando artefatos do scrum

  •  
  •  
  •  
  •  

E aí, agilistas

Vocês conhecem os artefatos do scrum? Eu pensei que os conhecia. Então, antes de escrever este post, dei aquela revisada no conteúdo para não dar bola fora e o resultado foi bem diferente do que eu esperava. Por exemplo, no livro do Rafael Sabbagh sim, a gente curti muito esse livro, ele apresenta sete itens, sendo uma mescla entre o que o scrum prega e artefatos que ele adicionou em seu livro (na página 30 Sabbagh comenta sobre isso). Sem contar que os resultados que o google me ofereceu variaram muito. E antes de dizer do resultado da minha revisão, vamos entender o que são artefatos do scrum, seguindo o Scrum Guide.

Os artefatos do Scrum representam o trabalho ou o valor para o fornecimento de transparência e oportunidades para inspeção e adaptação.

Os artefatos são peças de entradas e saídas para fazer movimentar a famosa engrenagem do scrum e, com isso, gerar energia para os três pilares que se basea esse processo empírico: transparência, inspeção e adaptação.

Comforme as atualizações do Scrum Guide, temos três artefatos:

Product Backlog

Uma lista priorizada com os requisitos/itens/demandas necessárias/bugs/melhorias para atender o produto a ser gerado no decorrer do projeto. Esse artefato é mutável e deve ser atualizado e ordenado pelo Product Owner (PO). Essa lista também alimenta as atividades do time de desenvolvimento.

Sprint Backlog

Este artefato é a lista de itens selecionados do topo do Product Backlog, devidamente refinado e preparado para o time desenvolver durante um sprint. Esta lista pertence ao time de desenvolvimento. Esse artefato auxilia o time a atingir o objetivo do sprint e acrescentar ao produto esperado.

Incremento do Produto

Copiando do Scrum Guide:

O incremento é a soma de todos os itens do Backlog do Produto completados durante a sprint e o valor dos incrementos de todas as sprints anteriores. Ao final da sprint um novo incremento deve estar “Pronto”, o que significa que deve estar na condição utilizável e atender a definição de “Pronto” do Time scrum. Este deve estar na condição utilizável independente do Product Owner decidir por liberá-lo realmente ou não.

Preciso comentar algo mais?

Poxa, tão pouco e tão simples né?!É né …

Ao final, fiquei refletindo o porquê de achar que tinha mais artefatos que o framework apresenta e cheguei na seguinte conclusão. Primeira hipótese, ao se tratar de um framework não precisamos saber o como fazer, mas quais são os itens necessários para as atividades do trabalho proposto. Por exemplo, o scrum não diz que devo usar uma lista em excel ou post-its para descrever o meu backlog, somente diz que devo ter um Product Backlog, para que serve e quem deve cuidar dele. Assim como, ele não comenta que devo formatar as funcionalidades em user story e ter o gráfico de burndown para monitoração das atividades. O scrum diz que devo fazer ser transparente de maneira que possa inspecionar e adaptar.

Segunda hipótese, após trabalhar com algumas ferramentas e técnicas, acabei absorvendo-as ao scrum. Quando, na  verdade, esse arsenal de outras áreas se encaixam bem com ao scrum, uma vez que ele é um framework. Tornando-se um meio para atingir um fim, que é aplicar os princípios e valores. Como o próprio Scrum Guide conclui, o scrum funciona como um “container para outras técnicas, metodologias e práticas.”

Ao querer praticar ao scrum não é necessário fazer todo um reboliço para utilizá-lo. Primeiro, tente adaptar algo do seu modo de operar e com o decorrer, adicionar boas práticas que o mercado oferece. Torne a sua adaptação simples, menos dolorosa. Não é a toa que o scrum está sendo aplicado em diversas áreas de negócio. 🙂

Adorei escrever esse post, foi um bom momento de reflexão.

Convido todos a fazer essa reflexão também.

Abraços.

Showing 2 comments
  • Éverton Bueno Lima
    Responder

    Excelente post, foi muito bem colocado, parabéns, é um dos primeiros post que vejo falar com clareza o que realmente significa o SCRUM e não tentar confundir as pessoas falando de outras aplicações que se encaixam, por exemplo o quadro de kanban e outros.

    E aqui resumi tudo “Como o próprio Scrum Guide conclui, o scrum funciona como um “container para outras técnicas, metodologias e práticas.””

    • Jana Pereira
      Responder

      Obrigada pelo feedback.
      Você já está no agilidade.slack.com ?
      Aproveita, ótimo ambiente para trocar ideias, experiências e principalmente aprender sobre esse mundo de agilidade. Literalmente, me sinto em um Pub de conhecimento.

      Abraço

Leave a Comment