Sugestão da casa – Learning Canvas

  •  
  •  
  •  
  •  

Olá, Agilistas,

Quem de vocês esteve na seguinte situação: Ser convidado para uma reunião de brainstorming sem saber o porquê da reunião, não tem  ideia do que se espera da  reunião, mas tem a certeza que serão as próximas horas mais entediantes ou improdutivas da sua vida ( E o pensamento: por que não estou no bar)? Acredito que a maioria vai dizer sim, ou melhor, acabei de sair de uma.

Como facilitadores, estamos sempre de olho em técnicas que podem nos auxiliar para termos reuniões mais objetivas, e por consequência, mais produtivas, que agreguem valor a expectativa do resultado final. Recentemente, conheci a técnica Learning Canvas do Learnig 3.0 (Planos para 2016: escrever sobre o Learning 3.0). De novo essa modinha de canvas?! Sim, acredito que o canvas é uma ferramenta visual bem intuitiva, a ideia por detrás do canvas é muito interessante permitindo compartilhamento de conhecimento colaborativamente.

O Learning Canvas é uma ferramenta para promoção da aprendizagem emergente.

O Learning Canvas organiza o problema, identifica as experiências e ideias, que por fim, converge em possíveis  soluções de forma colaborativa.  Por sua estruturação, os envolvidos na reunião se mantem mais focados e disciplinados.

A ferramenta possui 3 papéis chaves:  Asker,  Sharers e Facilitator. O “Asker” é o dono do canvas, a pessoa que compartilha o problema a cerca de um dado assunto e precisa de ajuda para poder resolvê-lo. Os Sharers são os participantes que tem interesse em contribuir, compartilhando histórias, experiências e ideias. Há também a figura do facilitador para ajudar a dinâmica da reunião.

A reunião será guiada por cada parte do canvas delimitada por um timebox adequado:

Learning

Learning Canvas

  1. Tema e cabeçalho : Definir o contexto que está relacionado o problema a ser discutido para gerar interesse dos partivipantes. O cabeçalho é formado por Onde, Quando, Asker , Sharers e Facilitator,  escreva quando e onde ocorre o brainstorm e as pessoas que participaram dessa reunião, essas informações são importantes para posteriores feedbacks.
  2. Problems and Symptoms: O Asker escreve em post-it e expõe o seu problema e suas principais dores com o objetivo de contextualizar todos. Os Sharers podem perguntar mais sobre os pontos com o intuito de entender o problema, porém sem compartilhar ideias ou experiências.
  3. Expect Results: O Asker explica para todos quais são seus resultados esperados para com a resolução do problema e os elenca via post-it. O objetivo é ter a visão futura que os problemas não mais existirão e também servirá para a validação do plano de ação do Asker.
  4. Experiences: Agora é a vez dos Sharers, o Asker somente observa e faz perguntas e anotações, mas sem qualquer julgamento. O facilitador explica que os Sharers devem anotar em post-it experiências vividas ou observadas de perto sobre algo relativo ao problema ou similar do Asker. Após isso, cada um explica seu post-it compartilhando sua experiência.
  5. Ideas: Os Sharers listam e comentam ideias para o problema. A regra é que são somente ideias, não precisam ter experiência ou ter certeza, é o momento para a imaginação fluir. O Asker se mantem observando e anotando silenciosamente, confrontando com sua realidade, a final, o caminho para a “aprendizagem emergente é conhecimento confrontado com a realidade”.
  6. To Try: Por fim, o Asker montar e compartilha o seu plano de ação em tudo que foi apresentado . O plano pode contem ideias ou experiências apresentadas ou novas ideias.

 

Para as etapas 2 a 6, o facilitador deve conduzir as pessoas para que elas se atenham a cada parte para evitar pular etapas, expressem bem suas ideias e experiências da melhor forma, há diversas técnicas de facilitação que auxiliam para essa condução.

Na etapa de Stories podem surgir contextos diferentes, exemplo o contexto do problema é relativo ao ambiente de trabalho, e você teve uma experiência pessoal na igreja, em uma viagem que possa também ser utilizada ou adaptada para o problema em questão, isso ótimo, compartilhe. O objetivo é contribuir para a construção do conhecimento dentro daquele grupo possibilitando emergir ideias sem limitações para que as mesmas sejam defrontadas com a realidade.

O “To Try”,  o Asker deve ser franco consigo mesmo para avaliar se a rodada de brainstorm foi suficiente para validar o resultado esperado, caso não seja, recomenda-se fazer a mesma dinâmica com outro grupo.

ExemploLearningCanvas1

Exemplo do Learning Canvas Aplicado

Para mim, a organização do Learning Canvas permite aprender de formar rápida e contínua. Todos os participantes se encontram no mesmo nível, o que permite um bom diálogo e ter várias perspectivas sobre um mesmo problema. Já tive a oportunidade de facilitar uma reunião com Learing Canvas,  o compartilhamento de experiências e ideias em cada momento permite ter bem essa visão do passado e futuro, e fica nítido o momento da aprendizagem emergente, diria até visível as lâmpadas de ideias surgindo em cada participante, o que torna a reunião mais prazerosa. Que tal usar na próxima reunião? Convidem-me para facilitar, será uma ótima experiência. Até mais, pessoal.

 

Técnica do livro  “How Creative Workers Learn” de Alexandre Magno. Você também pode ver a explicação do Learning Canvas no YouTube.
Showing 7 comments
  • Alexandre Magno
    Responder

    Ótima cobertura sobre o Learning Canvas. Parabéns!

    • Jana Pereira
      Responder

      Obrigada, muito feliz pelo seu feedback, Alexandre.

  • Liah Ky
    Responder

    Olhando por alto na internet, encontrei este blog com o cotidiano do trabalho envolvendo Agile. Obrigada de coração, tem isso bem interessante ler seus os artigos. Todo sucesso do universo para você 🙂

    • Jana Pereira
      Responder

      Adoramos feedback.
      Continuaremos oferecendo o nosso melhor para todos.
      Qualquer coisa, sinta-se à vontade para entrar em contato conosco pelo nosso email facaseupedido@agile.pub ou nosso facebook https://www.facebook.com/AgilePubOficial/.
      Seja bem-vinda ao nosso pub.
      De coração: Obrigada, Liah.

    • Diogo Riker
      Responder

      Muito obrigado, Liah!!! Como a Jana disse, feedback é muito importante para nós! Seja muito bem vida ao nosso pub!! 🙂

pingbacks / trackbacks

Leave a Comment