As 5 maiores Soft Skills para um Agile Tester

  •  
  •  
  •  
  •  

Olá galera!

Começo aqui mais um post motivado pelo #DesafioAgileTester  feito pelo querido Elias Nogueira, e também aproveito para falar um pouco de agilidade com os grandes amigos do Agile.Pub.

Irei comentar nesse post quais são as 5 maiores Soft Skills para um Agile Tester na minha opinião e o porquê de possuir tais habilidades são importantes no dia a dia de trabalho. Lembrando que este post não é baseado em uma pesquisa científica, entretanto, retratam minhas experiências atuando, há mais de 4 anos, em times de desenvolvimento com as mais variadas personalidades, e utilizando metodologias ágeis como Scrum e Kanban.

Contextualizando um pouco para quem não conhece o termo Soft skills, nada mais é que os aspectos comportamentais e interpessoais, cuja as pessoas possuem e pelas quais fazem ou não interagirem bem na comunidade, sociedade, família e especialmente no trabalho. Digo ou não, porque algumas pessoas não tratam Soft skills com a mesma importância que as Hard skills, principalmente quando se trata de facilidade de comunicação, seja na forma que é entendido ou mesmo na maneira que interpreta uma crítica, por exemplo.

Hard skills - Habilidades técnicas adquiridas com o tempo, como experiências em metodologias de desenvolvimento e ferramentas.

Uma frase muito interessante de Charles Darwin citada no livro Effective Communication and Soft Skills, nos faz refletirmos sobre Soft skills e diz o seguinte:

It is not strongest of the species that survive, nor the most intelligent, but the one most responsive to change.

Se fizermos uma analogia com a frase de Darwin não são as maiores habilidades técnicas que nos conduzem ao sucesso, não apenas, mas sim a maior capacidade de interagir, comunicar-se, resolver conflitos, ser resiliente entre outras características humanas.

Entrando um pouco na minha experiência, pergunto eu, quem nunca passou pela situação de estar atuando em um time e uma pessoa dizer a seguinte frase no final de uma massacrante sprint de desenvolvimento: “Já terminei minha parte, estou indo para casa!”

Claro que devemos por um contexto melhor, então pense que havia outras atividades pendentes e que tal pessoa teria capacidade de auxiliar na solução de tais. Atitudes como essa nos fazem entender o quanto é importante possuir pessoas que notam as necessidades do conjunto e buscam compreender e se por no lugar dos demais integrantes do time.

Com essa pequena introdução sobre o assunto, você deve estar se perguntando mas onde o Agile Tester se encaixa em tudo isso e quais Soft skills seriam mais interessantes para esse personagem importante em um time ágil; eis que vou exemplificar as que considero essenciais neste papel baseado em Soft skills que pude identificar nos livros Effective Communication and Soft SkillsTeam Geek e Agile Testing A Practical Guide for Testers and Agile Teams .

Muitas das Soft skills que serão citadas aqui podem ser identificadas em outros papéis dentro dos times, pois se tratam de aspectos humanos, mas acredito que seja de extrema importância para o Agile Tester.

numero-1

Humildade/Flexibilidade

Os autores do livro Team GeekBrian W. Fitzpatrick e Ben Collins-Sussman citam:

Você não é o centro do universo. E também não é onisciente nem infalível. Você está aberto a auto-aperfeiçoamento.

Muitos testadores possuem a maior responsabilidade perante a instituição de avaliar a qualidade do produto, e este poder de decisão muitas vezes o faz tornar-se inflexível perante os demais integrantes do time. Por exemplo, uma falha cuja não terá impacto na entrega planejada, mas o testador insiste em ter tal correção fazendo até mesmo o time desfocar das reais necessidades do cliente.

A questão humildade em alguns momentos também é de extrema necessidade, ou seja, assumir que nem sempre seremos perfeitos, afinal quem nunca descreveu uma falha de forma incompleta e dificultou o entendimento de quem iria corrigir :).

Sempre escute as críticas com humildade, positiva e negativas, extraindo o que você considera válido e principalmente no ambiente de trabalho, não leve para o pessoal. Quando possível em questões decisivas onde ser ou não flexível impactam fortemente nos resultados tente argumentar sempre e entrar num consenso que satisfaçam a necessidade principalmente do cliente e demais integrantes do time.

Soft skills como essas, não apenas tornam o testador um integrante melhor visto dentro do time, e sim o fazem sentir-se parte do time.

numero-2

Comunicação

Como base do universo da agilidade, nenhuma equipe funciona bem sem uma boa comunicação. Uma equipe com um testador que não busca a melhor forma de se comunicar tornam este problema ainda mais crítico. Naturalmente, o testador deve ser uma pessoa muito questionadora, e a todo momento e em qualquer dúvida, rapidamente deve se comunicar para evitar ruídos que possibilitem a má interpretação de uma estória ou funcionalidade, afinal isto pode derivar uma entrega com qualidade ou não.

Outra característica muito importante que o testador sempre deve estar atento,  refere-se a comunicação das solicitações de estórias, funcionalidades, requisitos e demais artefatos de desenvolvimento. Afinal, qual o testador que nunca se deparou com aquela regra alterada que o cliente solicitou, o desenvolvedor implementou e apenas o pobre testador não sabia que deveria estar de tal forma :).

Podemos dizer que para o testador não seria nada saudável estar distante e sem comunicação, isto provavelmente causaria muito retrabalho,  então lembrem-se comunicação sempre!

Aproveite sempre os momentos de pausa, como por exemplo um lanche, cafezinho, e etc., para conversar com os integrantes do time. Sempre que possível compartilhe ferramentas, estratégias de trabalho, novos conhecimentos adquiridos isto geralmente proporciona discussão e consequentemente comunicação.

numero-3

Simplicidade / Assertividade

Diariamente o testador se depara com problemas complexos, e deve buscar soluções que garantam a melhor cobertura dos testes no menor tempo possível, afinal nem sempre o prazo está a nosso favor, logo, eis que entra os aspectos de simplicidade e assertividade.

Muitas vezes queremos ter um bolo completo muito rapidamente, e esquecemos que para ele estar saboroso  devemos construí-lo passo a passo, ingrediente por ingrediente, senão provavelmente esqueceremos algum passo, ou mesmo deixaremos de acrescentar um ingrediente. Resultado disso é que teremos um bolo seco, sem sabor ou qualquer outra coisa menos o bolo saboroso.

Para o testador não haverá uma receita de bolo, mas buscando sempre entender o negócio que está atuando de forma simples, conforme sua maturidade for aumentando, todas as suas ações tenderam a serem mais assertivas, e caso não seja também serão mais fáceis de serem corrigidas, além do mais que isto proporcionará uma segurança em todas as suas decisões.

Use da simplicidade como uma arquitetura emergente e atue com assertividade no que é mais crítico.

numero-4

Gerenciar Conflitos

Como a imagem abaixo demonstra, gerenciar conflitos é uma característica para poucos e deve ser uma atividade de extrema paciência.

ommmm

Foto retirada de o livro Team Geek

Ser um testador em alguns momento é estar no centro do furacão sendo cobrado por todos os lados como líderes, desenvolvedores, clientes e demais stakeholders. Neste cenário considerando que não existe uma pessoa com papel de auxiliar na resolução de tais conflitos, como um Scrum Master, esta pressão pode impactar negativamente o testador e suas atividades.

Lembrando que, gerenciar conflitos não necessariamente é uma skill prevalecente de testador, mas apreciá-la ajudará a fortificar o elo que é formado entre ele e o time, então se o testador poder colaborar com isto, já o proporcionará um grande diferencial para o seu perfil.

Seja sempre intermediário diante de conflitos, evite tomar ações explosivas, pense, reflita, se possível monte um plano pra atuar no problema então o coloque em ação.

numero-5

Coragem

Muitos testadores sentem-se intimidados em utilizar tecnologias de teste, aplicar o uso de testes automatizados entre outras coisas, com o medo de cometerem falhas, então como a coragem faz parte do scrum e seus valores, é extremamente necessária para promover a inovação e isso não muda para o papel do testador ágil.

Ter coragem nos proporciona alcançar resultados que muitas vezes não esperamos, acredito nisto, pois conseguimos ultrapassar a barreira do comum e realmente aplicar o sentido pelo qual trabalhos com inovação.

Além de possuir coragem para utilizar aspectos técnicos, o testador ágil também deve ser extremamente atento a qualidade do produto, e não ter medo de questionar quando acredita que algo pode ser desenvolvido de uma melhor forma.

Não confunda coragem com inconsequência, sempre que quiser realizar uma iniciativa, implantar alguma metodologia ou uso de ferramenta, discuta com outras pessoas que já passaram por tal experiência e retire algumas lições, assim você irá amenizar problemas futuros e trabalhar de forma mais efetiva.

Estas foram algumas Soft skills que considero importante para um testador e que com certeza irão ajudar você que está iniciando ou já trabalha com teste ágil. Claro que as Soft skills devem ser complementadas com hard skills, entretanto o mercado vê com bons olhos profissionais que possuam tais características, defendendo que é mais prático ensinar ferramentas do que alterar comportamentos humanos.

Então para quem trabalha com ágil deve estar acostumado com as mudanças. Sendo assim, aproveite para sempre rever e realizar uma autocrítica, afinal a melhoria é contínua.

Até mais galera!

Eu participei! #Desafio - agiletesters.com.br

Eu participei! #Desafio – agiletesters.com.br

Showing 10 comments
  • Jana Pereira
    Responder

    Excelente texto. Também acredito que esses softs skill podem ser incorporadas no perfil de qualquer bom profissional. Parabéns, Vanilton. Abraço.

  • Themis
    Responder

    Parabéns, Vanilton! Muito bom o artigo. 🙂

  • Antonio Camara
    Responder

    Muito bom o texto!! Vanilton!

  • Paulo
    Responder

    Pessoal, tem com criar um rss para o site, adorei o conteudo!

    • Diogo Riker
      Responder

      Olá, Paulo!

      Vamos criar um RSS em breve. Esta no nosso backlog.

      Ficamos muito feliz que tenha gostado do conteudo do site.
      Toda segunda-feira tem post novo. 🙂

      Nos siga tb no twitter, facebook e linked in.

      Abraço

  • Responder

    Excelente o POST! Eu mesmo já tive vários problemas com pessoas inflexíveis ao ponto de fazer essa crítica a pessoa, comunicação no meu ponto de vista é aonde o time mais erra.

    • Jana Pereira
      Responder

      Verdade, Reinaldo. A nossa comunicação é um ponto que deve estar em constante melhoria. Obrigada pelo feedback. Seja bem-vindo ao nosso Agile.Pub!

      • Reinaldo Mateus
        Responder

        Achei bem Legal o Agile.Pub, estarei constantemente lendo os artigos, compartilhamos do mesmo Pensamento Jana.

  • Éverton Bueno Lima
    Responder

    Parabéns pelo post.

    Só uma observação, a frase citada de Darwin ainda é muito questionada, dizem que ele nunca proferiu tais palavras (http://quoteinvestigator.com/2014/05/04/adapt/), não me interprete errado com essa indagação, é só mais um curiosidade que eu tive rsrsrsrs, porque em um post anterior também usei tais palavras e no decorrer de um pesquisa descobrir que a frase não foi dita por ele rsrsrs, não estou questionando a citação foi uma simples coincidência que eu tinha acabado de pesquisar essa frase e uma curiosidade compartilhada;

    No inicio da leitura, você fala sobre uma experiencia vivida, e relata a seguinte frase que alguém proferiu no final da sprint “Já terminei minha parte, estou indo para casa!”, abaixo você descreve um pouco sobre a frase citada, eu só não consegui encaixar ela no contexto do post, porque essa simples citação eu fiquei com algumas perguntas (Foi atraso nas atividades? Sprint foi planejada errada? Essa Sprint houve alum imprevisto? Procrastinação da equipe?) ou foi simplesmente uma pessoa que não deveria fazer parte da equipe? Porque dependendo do contexto podemos argumentar sobre a frase citada.

    • Vanilton Pinheiro
      Responder

      Obrigado pelo feedback Éverton!

      Quanto a frase do Darwin me baseia pela referência do livro citada no post.

      Na frase “Já terminei minha parte, estou indo para casa!” o contexto independe da estimativa ter sido equivocada ou imprevisto, seria o contexto mais pessoal, de o integrante do time não se dispor a colaborar estando em condições para tal.

      Desde já agradeço o comentário.

Leave a Comment